O que você vai ser quando você crescer??

Eu não entendo mesmo e definitivamente os movimentos feministas que ai estão. Eu diria que pertenço a um outro movimento que ainda não surgiu, ou que pelo menos ainda não encontrei.

Já falei mil vezes das pautas que me incomodam mas hoje especialmente quero falar sobre Gênero. Primeiro vamos lá.. O que é gênero. Então,  você nasce com um pintinho ou com uma vagininha, isso determina o seu sexo. Pintinho é homem, vagininha é mulher.

Já o gênero não depende de ter pintinho ou vagininha. O gênero seria mais, para mim, a nossa personalidade-alma, muito mais profundo e independe de se ter vagina ou penis.

O maior problema é misturar gênero com o sexo porque daí se você nasce com pintinho, te vestem de azul e te dão carrinhos de presente. Se você nasce com vagininha, te vestem de rosa e te dão bonecas. Neste ponto eu concordo que está mais do que na hora de abandonarmos essa besteirada de azul e rosa… E outros condicionamentos. Logo, isso não é sobre Gênero, é sobre condicionamento.

Que a mulher precisa treinar brincar de casinha, que o homem precisa gostar de carros… Que mulheres são de humanas, que homens são de exatas. Esses condicionamento precisam desaparecer. Vagininhas também gostam de carros e pintinhos também adoram cuidar de crianças.

Mas não é sobre Gênero. Gênero é alma. O Gênero feminino é belo, é lindo e nem tudo é condicionamento. Dizem hoje que você deseja ser mãe porque foi condicionada. Então ser mãe não é mais um sentir afetuoso, uma visão amorosa de mundo. Ser mãe ficou resumido a parir ou não parir.

(e eu lembrando do grande diplomata Sergio Vieira de Mello falando sobre as mulheres na faixa de Gaza, sua relação com as guerras e a esperança que jamais abandonavam. Por seus homens, por seus filhos… )

O gênero não se define pelo que se tem entre as pernas. Essa lambança foi feita milhões de anos atrás. O Feminino pode despertar a qualquer tempo em qualquer ser humano. Ou não.

Então a gente não devia ir colocando roupinha azul só porque tem pintinho… A gente deveria esperar abrir-se a personalidade-alma de cada indivíduo e ele que use as cores que quiser.

Eu vejo muito na prática os homens que gostam de “brincar” de feminização. Adoro como num instante se fragilizam e seduzem com trejeitos fofos que aprenderam por imitação. Adoro quando experimentam na pele a seda, o cetim…  Lembra? Nasceram com pintinho então não deveriam gostar dessas sensações. Mas foda-se, eles gostam.  Esse caso não chega a ser uma Disforia de Gênero.

O que é a disforia?  É quando a personalidade-alma, o que somos no mais profundo do nosso ser, não condiz com nosso aspecto físico.  Há um sofrimento muito grande para alguem que nasce com pênis mas não consegue conviver com ele, para eles, o pênis é uma deformidade, porque sua alma é feminina. Então é muito sofrimento mesmo.

Como não ter uma perna, ou ser mutilado de alguma maneira. Porque no sentir daquela pessoa ela é uma mulher e aquele pênis, aquela coisa pendurada ali, é estranha.

Para entender é preciso pensar muito além do azul e do rosa, muito além do arco-íris. Muito além do condicionamento que nos é imposto. É sobre quem somos em nossa personalidade-alma.

Porém , se entendo a discussão das feministas radicais, que negam o feminino das trans e das travestis,  todo o feminino é imposto, não há uma essência feminina. Tudo é condicionamento.

Se negamos que há uma essência feminina,  como compreender a disforia de gênero?

Se não há essa essência como explicar uma criança, nascer com pintinho, e aos 4 ou 5 anos sentir que é menina?

Anúncios