aline35

Separei alguns comentários interessantes sobre o post da Aline (aqui). Muitas pessoas perguntando sobre como desconstruir o lado masculino, por exemplo.

Bem, vou dizer como penso sobre essa questão. Primeiro entender que cds e feminizados são homens vestidos de mulher. Não é a roupinha, nem a maquiagem que muda o espírito deles. Continuam sendo homens e eu gosto disso. Preservo neles o que mais aprecio nos homens: o senso de proteção, a generosidade, a capacidade de afeto. As coisas boas que são humanas, na verdade.
O que vou retirando deles, devagar, é o foco que eles têm na sexualidade, no pênis. Primeira coisa que se é preciso destruir é o pênis. Algumas mulheres gostam da penetração e se isso as diverte, podem permitir que eles continuem tendo ereção e ejaculando mas é preciso ter controle total sobre isso. Coloque regras. Ele precisa entender que o pênis dele só serve para lhe dar prazer. Na hora e como você desejar. No resto do tempo ele deve permanecer sem ereção, sem sequer tocar no pênis.

No meu caso, não faço questão alguma do pênis. Não curto penetração. Então para mim é destruir mesmo. Roger tem um belo pênis que minhas amigas costumam dizer que é subutilizado. Tem um lindo pênis grosso e grande. Então se ficasse solto desde o começo seria um problema em seu processo de feminização ou mesmo de submissão. Afinal, uma coisa leva a outra. Mesmo que a história não evolua para a feminização, controlando o pênis, você terá, ao final, um homem submisso.

No caso de Roger preservei a ereção e a ejaculação mas ele jamais penetra uma mulher. Fez isso alguma vezes mas apenas atendendo a pedidos de amigas, seja por dó ou porque realmente desejaram experimentá-lo. No resto do tempo ele é treinado para só ter ereção se estiver feminizado e ao meu comando. Costumo deixá-lo muito desesperado para ejacular e nesse momento ele promete qualquer coisa para que eu permita, rs. Ontem mesmo acabei forçando ele a dizer que estava feliz porque agora tem uma “irmãzinha de coleira”… Foi-se sua última resistência a entrada de Aline em nossa vida!!  “Sim estou felizs, me deixe gozar!!!”  “Está feliz por que?” “Estou feliz porque agora tenho uma irmãzinha de coleira!” “Ah , ai sim… Pode gozar!!

Aline já tem um pouco de dificuldade em ter ereção e nunca teve uma relação completa com mulher alguma. Porém, sonha ainda poder ser um hominho normal. Permiti a ela que tentasse me penetrar mas foi frustrante. A ideia no caso dela é sempre frustrar. Fazê-la entender que ela não precisa dessa experiência e pode ser feliz sem isso. Aline ainda está presa as convenções patriarcais e realmente acredita que pode ser “curar”. Bobinha mesmo. Está muito fácil de derrubar qualquer expectativa. Ela reluta até no prazer anal. mesmo sabendo que essa é a única forma de me dar prazer. Ou de dar prazer a qualquer mulher já que não consegue uma ereção.

Com o tempo vai compreender as coisas dessa maneira e será essa a imagem que terá de si mesma. Houve um momento bastante especial em que estávamos conversando. Ela de hominho porque havíamos saído e foi preciso que se vestisse. Falávamos sobre questões feministas, aborto, opressão, etc. E ele vestiu toda a postura masculina. Naquele momento senti que precisava controlá-lo e sem mais explicações lhe dei uma surra. Funciona muito bem no caso dela. Volta toda feminina, frágil. Totalmente indefesa. Lindo de ver e acarinhar.

O tempo que tivemos foi bem curto e para continuarmos o processo. Mas ela virá com mais tempo e dessa vez não terá roupas masculinas nem para ir à rua. Será totalmente menina. E tenho a certeza que estará totalmente entregue. E esquecerá para sempre essa tolice de ser hominho, rs.

Um outro escravo que vou chamar aqui de K. desafiou-me nesse aspecto desde o inicio de nossa relação. Hoje está praticamente impotente. Contarei a história dele nos posts seguintes. Muito interessante mesmo. Por agora deixo a imagem do pênis dele agora cedo, no cinto de castidade.

Anúncios