Como tenho conversado aqui sobre disciplinar o homem apoderando-se de sua sexualidade, vou contar a história de K que ilustrará o que venho dizendo.

K é um desses rapazes que me lê desde menino e fantasia com meus textos. Há muitos desses. Porque nas nossas fantasias tudo é permitido. Mas eu sou pessoa. De verdade. E algumas vezes eles demoram para entender isso.

Ele me abordava sempre comentando postagens antigas e falava sobre sua fantasia de castração. As conversas eram agradáveis e eu finalmente aceitei viajar com ele nesse processo.

K é um cara arrogante. Uma vez em um grupo ele postou que as Dommes eram gordas e feias, e enfim, um monte de bobagem. Era tudo fantasia mas sem que eu mesma me desse conta eu estava gostando de mergulhar cada vez mais fundo na história e gostando de “derrotá-lo”. Eu não sou gorda mas sou uma senhora de 54 anos, bem longe de ser a gostosa que ele descreveu naquele post como sendo seu sonho.

Aos trancos e barrancos íamos e voltávamos, na maioria das vezes por conta de suas posturas. Não era por mim, eu sou muito sossegada sobre quem sou e minha autoestima,  mas quando estou disciplinando não penso só em mim, penso em todas as mulheres do mundo que os homens precisam aprender a respeitar.

Um ano se passou e hoje ele finalmente parece adestrado. O homem mais submisso do mundo. Foi o que ele prometeu. E eu acho que será assim mesmo porque eu tenho controle absoluto sobre seu pênis. Sou a única pessoa que pode lhe dar algum prazer. E quero que seja definitivo.

Nunca mais este homem faltará com respeito a mulher alguma. A mulher mais gostosa do mundo pode passar na sua frente, pode seduzi-lo mas tudo que encontrará é um pênis mole. Estou tentando que não perca a libido para que possa funcionar dando prazer com sexo oral.

Ele tem 34 anos. Nossa relação sempre foi consensual e ele sempre pode partir a qualquer momento. Ficou porque quis.

Abaixo o relato que ele mesmo preparou sobre como foi o seu processo de castração.


“O primeiro sinal de que algo havia saído do meu controle, a primeira sequela sexual que ficou evidente foi quando meu pênis atendia aos comandos da Rainha Frágil mas não os meus. Foi durante uma sessão de treinamento de edging, técnica na qual somos forçados a chegar bem proximo ao orgasmo, por várias vezes sem ejacular.  A rainha me obrigou a colocar ligas de borrachas em volta de meu penis e testiculos, aumentando a rigidez das ereções, e me obrigava a passar algumas horas fazendo a técnica.

A cada dia ela reduzia o tempo dos exercícos de edging, me permitindo menos tempo para me masturbar, os exercícios ficavam mais curtos, meia hora, quinze minutos, chegando a ter apenas 5 minutos de duração. Independente da duração dos exercícios, eu era obrigado a passar boa parte do dia assistindo filmes pornôs, e varios outros tipos de filmes que me dessem tesão incluindo fetiches.

Quando chegava a hora de fazer o edging, apenas um toque no pênis já era suficiente pra me levar a um quase orgasmo, meu pênis estava hiper sensível, avermelhado e pingando liquido seminal de lubrificação.

Aquilo pra mim era um inferno, eu cheguei a implorar para a Rainha para me deixar ficar sem me masturbar, pois até minha respiração me levava a quase ter um orgasmo. Ficava enlouquecido, com medo de não aguentar e acabar ejaculando, implorei a Rainha para me deixar ficar alguns dias sem esse exercício.

Ela então me ordenava a suportar, mandava eu apertar mais as ligas, para causar desconforto,mandava eu respirar fundo. Mas eu sinceramente estava odiando esse sofrimento,era energia demais represada. Foi quando ela me deu um sermão bem longo, me explicando sobre a importância do auto controle nessa fase do meu adestramento. Ela então disse :

Preste bem atenção no que vou lhe dizer, a partir de hoje seu pênis obedece a mim, somente a mim, nem voce manda mais nele. Estou retirando de você todo o controle sobre seu pênis, e vou fazer agora uma experiencia, se funcionar do jeito que estou pensando, é porque o primeiro estágio do adestramento foi alcançado.

Eu curioso, perguntava, do que a sra está falando ? Que experiência é essa ?

Ela ordenou: Neste momento ordeno que seu pau fique molinho molinho. Tal como um balão de festa esvaziando, meu pau ficou mole e inerte. Toda a rigidez sumiu em segundos. Eu juro que nem sequer pensei em obedecer aquele comando. Eu pensei por um momento que tudo fora sorte de principiante, uma coincidência. Agora ordeno que seu pau fique duro.
Meu pênis subiu como um alazão.
– Agora chega, ficando mole!

Mais uma vez toda a ereção se desfez rapidamente.
Ela repetiu este exercício por várias vezes, para meu espanto funcionando melhor a cada vez.
Eu fiquei impressionado, como uma pessoa que assiste um número de mágica. Mas eu sabia que não era mágica.

Ela disse: – A partir de hoje eu tenho o controle remoto do seu penis, para ativá-lo e desativá-lo quando eu bem quiser. Você não tem mais controle sobre seu pênis, e até segunda ordem, ele ficará mole, dormindo. ”

Essa é a primeira parte. Vou publicando o restante em partes. Só quero dizer que tudo isso foi intuitivo. Eu não tenho método e eu nem sabia que estava praticando o tal do edging. Eu estava apenas me divertindo embora um pouco preocupada. Várias vezes eu lhe dei a chance de parar o jogo. Mas ele insistia. E seguíamos. As pessoas precisam ter em mente que a Sádica é tão “doente” quanto o masoquista. Sim, para todos os efeitos, “normais” é que não somos, né?

Se fôssemos normais nem este blog existiria nem você, rapazote, estaria ai de pau duro lendo e fantasiando com as histórias que conto aqui.

Anúncios