fotoofi2

Os cabelos já quase todos brancos.
E gostei muito dessa foto.
Bem, passei corretivo pra esconder as olheiras
base e brilho nos lábios.

E acho que era um local de muita luz.

Porque não gosto muito de fotografia.
Mas reconheço esse olhar. Esse brilho.
Me pertence. E o sorriso também.
Tudo meu.

No mais, estou nua!

O que esses olhos viram?
O que eles dizem?

São muitas lembrança.
Lembro do primeiro beijo em um escravo, depois do Roger.
Não lembro nada dele. Só o beijo.
Ele estava preso, de costas pra mim.
Era muito jovem, 20 e poucos anos.

Beijei.
E ele quase desfaleceu. Sussurrou, implorou.
Foi lindo.

Lembro da primeira feminização bem bacana que fiz.
Chamava-se Mariana. Fomos a um motel.
Já não gostava de motel mas só teríamos uma oportunidade porque eu estava de passagem por São Paulo.

Lembro um amor sadomasoquista.
Tudo de mal, tudo de cruel despertava em mim.
Era poético e forte.
Escrevi uma longa carta.

A castidade, eu sempre um degrau acima.
Sempre mais um sacrifício, sempre outro passo.
Era a queda ou o tombo.

Uns encontraram jesus.
Um ficou anos em minhas cordas.
Um dia pisou na bola.
Desfez os nós para sempre.

Alguns ainda transitam.
Ainda me divertem.
Ainda me excitam.

Gosto dos capachos, dos que se humilham.
Quanto mais humilhados, mais fortes ficam.
Obediência fortalece.

É por isso que ainda hoje meus olhos brilham.